Cursos e Debates

 

Biblioteca Hipátia

TV Cidadania Livre

 

Os olhares racistas causam constrangimentos

“Você tá dirigindo um carro

O mundo todo tá de olho em você, morou? Sabe por quê? Pela sua origem, morou irmão?” Racionais MC´s

Por Ricardo Corrêa para o Portal Geledés

Freepick

“Entramos em uma loja de roupas para comprar umas peças, e num descuido de minha parte o meu filho de 10 anos abriu a mochila para pegar o pacote de bolacha pra comer. Fiquei desesperada, arranquei da mão dele e rapidinho fechei a mochila”. Esse é o relato da minha amiga, Fernanda (nome fictício), sobre a situação que a deixou bastante nervosa numa loja no centro de São Paulo. E continuou “Imagine se alguém visse a gente com a mochila aberta, poderiam pensar que estávamos roubando alguma coisa. Quem é negro precisa estar sempre atento.” Lamentei muito o ocorrido e sabia perfeitamente quais os sentimentos que a acometeram naquele momento. Nós, negros, vivemos aprisionados em estereótipos racistas e impedidos de sermos naturais nas atitudes onde quer que estejamos, portanto, o que aconteceu com a Fernanda não é novidade para a maioria da população negra. Os estereótipos pavimentam caminhos que conduzem aos assassinatos, encarceramentos e empobrecimento dos negros, e operam nas atitudes dos opressores e oprimidos.

Os corpos humanos cujos traços demonstram a descendência africana são vistos de maneira negativa devido ao projeto racista que construiu infundados argumentos, assim possibilitando o exercício de plurais formas de violência sobre os afrodescendentes. E como a televisão é um meio de comunicação com considerável alcance, os estereótipos atingiram maior difusão em seus programas. Alexandre Rodrigues, o Buscapé de Cidade de Deus, fez a seguinte declaração “Já entrei na televisão sabendo como seria. Meus personagens sempre foram motorista, empregado, escravo. Nunca me deram um médico para fazer, um empresário.”[1] Nesse sentido oexecrável foi difundido como monopólio das pessoas negras; a estética é hipersexualizada, embrutecida. O padrão de beleza e os comportamentos com viés eurocêntrico tornou-se a norma, assim sendo o ser negro tornou-se o ‘desvio da norma’. Somos associados à feiúra, a perversão, a arruaça e a criminalidade. Para o sucesso dessa especificidade o racismo eliminou a individualidade e construiu uma leitura que atinge a população negra sem exceção. Edith Piza explica “(…) o lugar do negro é o lugar de seu grupo como um todo e do branco é o de sua individualidade. Um negro representa todos os negros. Um branco é uma unidade representativa apenas de si mesmo”.

As conseqüências são variadas, mas destacarei somente os olhares racistas que provocam constrangimentos, e para tanto ofereço a minha experiência como testemunho: inúmeras vezes me barraram em porta giratória de bancos, as pessoas colocam os pertences em posição mais íntima quando me aproximo, ou atravessam a calçada para não ficarem próximas, seguranças me vigiam dentro de lojas e supermercados, os assentos ao meu lado no transporte público quase sempre ficam vazios, ou são os últimos a serem ocupados, e “enquadro” policial não foram poucos. No início até pensava que era coisa da minha cabeça, mas ao compreender a condição histórica do negro, e as experiências de outros negros, acabei entendendo que as situações eram fenômenos racistas.

Em se tratando de seres humanos o ambiente externo é determinante, assim sendo a atitude da Fernanda é o reflexo de experiências constrangedoras. As humilhações apresentadas em nossas vidas atingem a subjetividade e desenvolvem neuroses. No clássico “Pele Negra, Máscaras Brancas”, Frantz Fanon dissertou sobre o complexo que molda os comportamentos naquilo que chamou de “mundo branco”. Para o autor os negros desenvolvem comportamentos para se parecerem com as pessoas brancas, ou buscam sempre causar alguma surpresa, admiração. É como se gritássemos o tempo inteiro “eu sou um negro diferente!”. Espero que a luta pela emancipação da população negra consiga mudar o paradigma de comunicação existente, sobretudo na linguagem e suas representações, pois a sociedade precisa compreender que a cor da pele não define o caráter das pessoas. Não podemos continuar nos preocupando com o que estão pensando sobre nós. Que caiam definitivamente os grilhões!


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FANON, Frantz.Pele negra, máscaras brancasBahia: Editora Edufba, 2008.

PIZA, Edith. Porta de vidro: entrada da branquitude.In: CARONE, Iray e BENTO, Maria Aparecida Silva (orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002.

[1]Entrevista com Alexandre Rodrigues

Disponível em: <https://revistatrip.uol.com.br/trip/entrevista-com-alexandre-rodrigues-o-buscape-de-cidade-de-deus> . Acesso em: 21 ago. 2019.

 

fonte: https://www.geledes.org.br/os-olhares-racistas-causam-constrangimentos/

 

Últimas Notícias