Cursos e Debates

 

Biblioteca Hipátia

TV Cidadania Livre

 

China se prepara para longo enfrentamento comercial com os EUA

Pequim intensificou as medidas para reduzir sua dependência tecnológica da grande potência

O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu homólogo Xi Jinping, num encontro em Pequim em novembro de 2017.
O presidente dos EUA, Donald Trump, e seu homólogo Xi Jinping, num encontro em Pequim em novembro de 2017. 
DAMIR SAGOLJ REUTERS
Pekín 

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, e o presidente do Banco Popular da China (banco central), Yi Gang, mantiveram um encontro neste fim de semana em Fukuoka (Japão), no âmbito da reunião de ministros de Finanças do G20. Em outros tempos, a conversa teria sido uma mera questão de rotina. Mas agora não: foi a primeira entrevista entre altos funcionários econômicos dos dois países desde o fracasso das negociações comerciais e o início da escalada na guerra comercial e tecnológica, que ameaça se perpetuar e estabelecer uma nova ordem mundial.

Aparentemente, tratava-se de uma reunião preparatória para o encontro que o presidente chinês, Xi Jinping, manterá com seu homólogo norte-americano, Donald Trump, na cúpula do G20 em Osaka (Japão). Mas embora aquele Trump tenha dado como certo esse encontro, sua realização não está garantida: Pequim não quis confirmá-lo até o momento. A reunião parece mais incerta que nunca após Trump ter declarado que “provavelmente” aumentará as tarifas também sobre os 300 bilhões de dólares (1,17 trilhão de reais) de importações chinesas que ainda não foram afetadas pela disputa.

Em todo caso, poucos acreditam que esse encontro tenha um resultado significativo. Talvez deter essas possíveis tarifas. Ou talvez um indulto para a Huawei, a gigante de tecnologia que Washington proibiu de fazer negócios com as empresas norte-americanas. Um acordo “realmente não muito relevante”, como dizia recentemente a economista-chefe para Ásia-Pacífico do banco de investimentos francês Natixis, Alicia García-Herrero.

Ao menos na mente de Pequim, o divórcio entre as duas grandes potências já ocorreu. E a China deixou claro que, embora preferisse um acordo amistoso, prepara-se para um conflito longo e possivelmente penoso, pelo menos enquanto Trump continuar na Casa Branca. Um conflito que provavelmente não tenha volta atrás: para o Governo chinês, já ficou claro o risco de depender muito do que possa ser decidido em Washington.

O presidente do banco central chinês afirmou que, do ponto de vista econômico, Pequim conta com várias opções ante um possível endurecimento da guerra comercial. “Há muitas ferramentas de política monetária e fiscal, incluindo taxas de juros, porcentagens de reservas e maiores estímulos fiscais”, dizia nesta semana.

Do lado tecnológico, a China decidiu acelerar o desenvolvimento de sua indústria para garantir a independência. Nos últimos dias, concedeu as primeiras licenças de 5G às três grandes operadoras de telefonia e uma de TV do país. A Huawei, segundo noticiou a agência Bloomberg esta semana, determinou que seus engenheiros projetem, o mais rápido possível, os componentes e o software que deixará de receber do Vale do Silício. Seu novo sistema operacional poderia ficar pronto em agosto ou setembro.

Resposta contida

Pequim, que até agora respondeu com relativa moderação aos gestos dos EUA (seja, segundo alguns, pela vontade de se apresentar como a parte “adulta” na disputa ou, segundo outros, por não ter ferramentas mais eficazes) continua ensaiando seus próximos passos. Além de responder com seu próprio aumento de tarifas, o país anunciou a criação de uma lista de empresas estrangeiras “pouco confiáveis” que ainda não publicou. A China também estuda proibir a exportação aos EUA de terras raras, materiais imprescindíveis para a fabricação de produtos de alta tecnologia. Mas a briga já começa a ir além da mera economia e das eternas disputas pela segurança no mar do Sul da China.

Esta semana, o Governo chinês advertiu aos seus estudantes e acadêmicos sobre os riscos de estudar nos EUA, ante o aumento de pedidos de visto rejeitados e os cortes na duração das autorizações de permanência. Cerca de 360.000 jovens chineses frequentam cursos na primeira potência mundial, gerando uma renda de 14 bilhões de dólares (55 bilhões de reais) aos EUA, mais do que a quantia obtida pela venda da soja ao gigante asiático, informou a consultoria Capital Economics num relatório.

MAIS INFORMAÇÕES

Últimas Notícias