Cursos e Debates

 

Biblioteca Hipátia

TV Cidadania Livre

 

Como a gestão empresarial dos nazistas modelou o capitalismo alemão

Historiador francês Johann Chapoutot soma-se a outros autores que apontam a continuidade entre o nacional-socialismo e o liberalismo

 
Judeus descem do trem nos arredores do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau em 1944.
Judeus descem do trem nos arredores do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau em 1944.YAD VASHEM

Os nazistas não eram extraterrestres. Eram homens e mulheres de carne e osso, como nós. Não exatamente monstros. São nossos contemporâneos. Como escreve o historiador francês Johann Chapoutot em referência a uma figura do nacional-socialismo que depois prosperou na democracia, algumas biografias “têm quase o valor de uma parábola para ler e entender o mundo em que vivemos”.

O estudo daqueles 12 anos – entre 1933 e 1945, quando Adolf Hitler tomou o poder na Alemanha, perseguiu as minorias, iniciou a Segunda Guerra Mundial, tentou e quase conseguiu o extermínio total dos judeus da Europa e terminou com a derrota e a destruição de seu país – é inesgotável. E na França, que foi ocupada e colaborou com a Alemanha de Hitler, um enfoque recente é a exploração da atualidade do nazismo. O último exemplo é o ensaio de Chapoutot, Libres d’obéir. Le management, du nazisme à aujourd’hui (Livres de obedecer. A gestão de empresas, do nazismo à atualidade, sem tradução ao português, publicado em francês em janeiro pela editora Gallimard).

É um livro breve, denso, escrito com energia e documentado: 142 páginas de texto, 18 de bibliografia e notas. Conta a história de Reinhard Höhn (1904-2000), um respeitado jurista e historiador militar, e general das SS. Com o fim da guerra, e após um breve período de ostracismo, fundou a escola de negócios de Bad Harzburg, na qual se formaram as elites empresariais da República Federal da Alemanha (RFA). E assim contribuiu decisivamente para modelar o capitalismo alemão do pós-guerra.

Libres d’obéir não é uma biografia de Höhn, e não é uma tentativa de demonstrar que a gestão empresarial tem origens nazistas, o que seria falso, de acordo com o autor, pois já existia várias décadas antes. É uma análise pormenorizada, através da figura de Höhn, da continuidade entre os métodos organizacionais do nacional-socialismo – métodos e ideias que Höhn teorizou antes da guerra – e o mundo empresarial e o liberalismo econômico contemporâneos.

Chapoutot desmente um lugar comum: que o totalitarismo nazista era estatista, ou seja, que dava um papel preponderante ao Estado. Afirma o contrário: que o Estado se identificava com um velho mundo burocrático e estrangulado. E que era a superação das regulamentações absurdas e a liberação das forças criativas da comunidade o que, em uma luta darwinista, permitia o triunfo da Alemanha. Essa ideia teve uma tradução administrativa: a criação de inúmeras agências públicas que, fora do mamute estatal, competiam entre si. E se traduziu em uma nova organização do mundo trabalhista que procurava combinar os objetivos rígidos com a flexibilidade e a autonomia para aplicá-los.

Höhn, ideólogo da administração alemã sob o nazismo, voltou a sê-lo a partir dos anos cinquenta na Akademie für Führungskräfte, por onde passaram 600.000 dirigentes das principais empresas do país. Caiu em desgraça nos anos setenta, com a revelação de seu passado e o surgimento de novos métodos de gestão, mas sua marca não desapareceu. Ele continuou ativo até os anos noventa.

O método de Bad Harzburg prescrevia “a administração por delegação de responsabilidade”, escreve Chapoutot. O funcionário não era um “subordinado” e sim “um colaborador”, “uma pessoa que age e pensa de maneira autônoma”, acrescenta citando Höhn. E o coloca em relação com o chamado “ordoliberalismo” e a “economia social de mercado” da RFA. E com um de seus pilares: a Mitbestimmung ou decisão em conjunto, que permite aos trabalhadores ter voz na gestão da empresa: a busca do consenso – e do consentimento do súdito ou governado, a “liberdade de obedecer” do título – é essencial, segundo o autor, tanto antes como depois da guerra.

A operação de Chapoutot – se fixar em um detalhe, amplificá-lo com lupa e mostrar a “contemporaneidade” e “modernidade” do nazismo – é semelhante à feita por Éric Vuillard no romance A Ordem do Dia, premiado com o Goncourt. Vuillard se debruça sobre uma cena: a reunião, em 20 de fevereiro de 1933, entre Hitler e os principais empresários alemães. Muitas dessas empresas não desapareceram entre as ruínas de 1945. “Não podemos achar que tudo isso pertence a um passado distante”, escreve Vuillard. E diz que o filho de um dos próceres de 1933, Alfried Krupp, “se transformará em um dos homens mais poderosos do mercado comum, o rei do carvão e do aço, o pilar da paz europeia”.

Vuillard é um romancista sutil, um estilista habilidoso e Chapoutot, um historiador rigoroso e respeitado. Poucas semelhanças com Philippe de Villiers, figura destacada do soberanismo eurocético, criador do parque histórico Puy du Fou e autor do ensaio J’ai tiré sur le fil du mensonge et tout est venu (Puxei o fio da mentira e tudo veio, não traduzido ao português, publicado em 2019 em francês pela Fayard). Seu registro é outro. Tenta desacreditar o projeto europeu e, para isso, denuncia – entre meias verdades e mentiras, como disseram vários historiadores no Le Monde – os pais fundadores da União Europeia como ex-nazistas e colaboracionistas (Walter Hallstein e Robert Schuman) e agentes da CIA (Jean Monnet). “O gene de desconstrução que enfraquece a União Europeia estava no DNA dos pais fundadores”, declarou ao Le Figaro.

Com rigor e estilo, e utilizando interpretações enviesadas e próximas às teorias da conspiração, aflora um traço comum: a associação de ideias mais ou menos explícitas, entre o mundo de ontem e o de hoje, entre o nazismo e o liberalismo, entre o nazismo e a UE.

 

fonte: https://brasil.elpais.com/babelia/2020-02-23/como-a-gestao-empresarial-dos-nazistas-modelou-o-capitalismo-alemao.html

Últimas Notícias

CopyLeft Cidade Livre 2019 - Comunidade Livre de Aprendizagem